Autoconhecimento

Saber reconhecer emoções, relacionando-as com os pensamentos que as geram e entendendo como tudo isso influencia o comportamento, permite que cada um entenda melhor as próprias limitações e conheça as suas fortalezas, o que aumenta a confiança, o otimismo e a autoestima.

Autocontrole

Emoções e pensamentos podem ser regulados, controlados, contidos, dominados, compreendidos. Isso faz com que nossas atitudes sejam menos impulsivas e mais adequadas para atingir objetivos predeterminados, tanto pessoais, quanto acadêmicos.

Empatia

Assumir a perspectiva do outro, sobretudo quando estamos diante de valores diferentes dos nossos, é fundamental para viver em um mundo cada vez mais marcado pela diversidade cultural. Criar empatia é criar elos, criar laços, criar ponte com as pessoas, aprendendo a se colocar no lugar do outro.

Decisões responsáveis

Fazer escolhas construtivas, coerentes com nossas crenças e comprometidas com padrões éticos, é fundamental para o bem-estar do indivíduo e para a comunidade. Para tal, é necessário conhecer normas sociais, avaliar de maneira realista as consequências de nossas ações e ter constante preocupação com a segurança.

Habilidades sociais

Para estabelecer e manter relacionamentos saudáveis, precisamos saber falar e saber ouvir. Comunicação clara, escuta ativa, cooperação, capacidade de resistir a pressão, de negociar conflitos, de buscar e oferecer ajuda, tudo isso é essencial na vida em sociedade.

Informações baseadas em um estudo realizado pela Casel (sigla que, em inglês para “Collaborative for Academic, Social and Emotional Learning”), uma organização sem fins lucrativos, com sede em Chicago, nos EUA, voltada para o desenvolvimento das habilidades socioemocionais de alunos da educação básica.

Sobre o programa

 

 

“Crianças e adolescentes precisam de um conjunto equilibrado de competências cognitivas e socioemocionais para ser bem-sucedidos na vida moderna. Sabe-se que as competências cognitivas, incluindo as avaliadas por testes de conhecimentos e notas acadêmicas, influenciam a probabilidade de sucesso em nível educacional e no mercado de trabalho. São preditoras de resultados mais abrangentes, como saúde declarada, participação política e social e confiança. Competências socioemocionais como perseverança, sociabilidade e autoestima mostram-se capazes de influenciar em várias dimensões da vida social futura, incluindo saúde melhor, mais bem-estar subjetivo e menor possibilidade de envolvimento com problemas de conduta. As competências cognitivas e socioemocionais interagem entre si e possibilitam sucesso dentro e fora das escolas. Ajudam crianças a transformar intenções em ações, elevando a chance de se formar em universidades, ter vida saudável e se afastar de comportamentos agressivos. Algumas das competências socioemocionais são moldáveis durante a infância e a adolescência. Criam-se, aí, oportunidades para que legisladores, professores e pais proporcionem ambientes de aprendizado adequados às crianças e jovens”.

 

Competências para o Progresso Social – O poder das competências socioemocionais (OCDE)

http://www.oecd.org/publications/skills-for-social-progress-9789264249837-pt.htm

Como funciona

 

 

Os professores participam de um curso de formação continuada.

São disponibilizados vídeos exclusivos e apostilas para serem usados em sala de aula.

Os professores se revezam aplicando as aulas para outras turmas, que não a sua principal.

Depoimentos